É urgente atuar no desenvolvimento de competências

É urgente atuar no desenvolvimento de competências

No início da Segunda Guerra Mundial o governo britânico criou panfletos com uma mensagem onde apelava à concentração da energia das pessoas em torno de um objetivo “Keep calm and carry on”. Uma pequena frase que pretendia sintetizar a direção, o esforço de um povo para alcançar um objetivo comum.
Nos tempos atuais, recordar esta pequena frase e todo o seu significado simbólico remete-nos para a importância de nos focarmos nas pessoas, mais precisamente, na atualização das suas competências. São elas que verdadeiramente alcançam resultados.
A evolução tecnológica é a constante dos nossos tempos. A sua evolução afeta, de forma indelével o nosso quotidiano. Estas mudanças têm uma implicação direta e bidirecional na forma como as pessoas percecionam a realidade e agem em função dessas perceções. Com efeito, essas perceções – ou seja a forma como as pessoas vêm a realidade – e as ações subjacentes têm um impacto efetivo na capacidade de produção de riqueza.

É possível hoje tornar cognoscível, sentimentos, medos, perceções, valores e outras variáveis que pela sua complexidade não conseguiríamos dominar ao mesmo tempo, da mesma maneira e que hoje, com o avanço tecnológico disponível, se torna possível fazer.
A gestão da informação é hoje feita em verdadeiros repositórios da experiência humana do dia a dia, das suas ações, dos seus interesses, das suas relações e de muitas outras formas quase inimagináveis para o comum mortal. Imensas Redes de Informação que se transformam em Conhecimento e que é depois transformado em Capital.
A combinação destes sistemas permite o mapeamento do comportamento humano numa escala nunca antes conseguida.
Esta combinação permite a qualquer organização proceder a avanços na forma como se relaciona com as pessoas que nela trabalham, vamos chamar-lhe Gestão moderna de Pessoas, se assim o podermos chamar.
Esta gestão moderna de pessoas envolve alguns vetores chave, tais como:
• A articulação da Gestão de Pessoas com as diferentes áreas funcionais (imagem percebida; competitividade; fatores críticos de sucesso).
• A gestão da articulação com o meio envolvente (competências disponíveis; mercado de trabalho; cultura; história; leis; política e ambiente económico e social).
• Gerir desempenhos diferenciadores e muito complexos.
• A capacidade de induzir mudanças de competências.
• Potenciação da capacidade de produção de riqueza.
Hoje não basta afirmar «PATERNALISTICAMENTE» que as pessoas são o principal capital das organizações. É preciso agir para efetivar essa afirmação, agindo proativamente no desenvolvimento das competências.

É neste quadro que a relação Tecnologia – Pessoas tem de ser debatida. Este debate abre um novo mundo de perguntas que deveremos estar preparados para colocar e responder, pois a dita quarta revolução industrial está a acontecer agora mesmo e nós temos o privilégio de estar nos lugares da frente deste processo de transformação imenso!

Artur Ferraz

Formador da PG em Gestão de Pessoas nas Organizações na ENB

 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *